Ushuaia – o fim do mundo

Compartilhe!

Para chegar até o fim do mundo é preciso estar bem agasalhado. O frio do extremo sul da Argentina é aquele de gelar a espinha, que só uma boa fogueira consegue aplacar. Mas vale a pena quando o assunto é conhecer Ushuaia — não há preconceito quando falamos em fim de mundo, basta lembrar que existe uma placa com essas palavras no local.
 
Querer ser o fim do mundo é sinal de orgulho, por sinal. Tanto que os argentinos consideram Ushuaia a cidade mais austral do planeta. Nesse ponto há uma divergência com os chilenos, que consideram a sua Puerto Williams a mais ao sul no hemisfério meridional.
 
Mas os dois países não precisam entrar novamente em pé de guerra, tal como no Conflito de Beagle, em 1978. Podemos falar sobre o extremo sul chileno em uma próxima oportunidade. No momento, vamos conhecer o lado argentino da Patagônia e seus extremos.
 
Você pode chegar em Ushuaia por vias terrestres (ônibus ou um carro alugado) e avião. Mas como se é esperado de um fim de mundo, não é tão fácil assim chegar. O problema de ir por terra é a distância — só de El Cafalate até Ushuaia leva-se um dia inteiro. Sem contar que há poucas opções de horários (não tem ônibus saindo à noite, por exemplo), pois cruza-se a fronteira com o Chile no meio do percurso.
 
De avião, partindo de Buenos Aires, não se gasta tanto tempo assim, são cerca de quatro horas de voo. Mas o viajante que tem um estilo de viagem um pouco mais econômico pode se assustar com os preços das passagens, portanto, se possível, compre com antecedência.
 


 
A história de Ushuaia, a capital da província do Fogo, é relativamente recente — e um tanto curiosa. Apesar de registros de povoamento e ocupação desde o século XVI, logo nos primórdios da dominação europeia sobre o continente americano, foi apenas no início do século XX que o governo argentino resolveu investir pesado na ocupação daquele território, devido a sua importância estratégica. Para isso, resolveu criar um presídio, que funcionou até 1947, quando foi fechado por um decreto presidencial.
 
Em meio a uma paisagem exuberante de tirar o fôlego, o encontro com pinguins é um dos passeios mais legais que você poderá fazer por lá. Mas vá no verão, que é quando eles estão passando férias ali. A Pinguinera, como é conhecida a Isla Martillo, é onde vivem milhares de pinguins. Apenas uma empresa está autorizada a fazer o tour para lá, a Piratur. O número de turistas por dia é limitado, então, reserve assim que chegar a Ushuaia. Há outras opções de passeios de pinguins, mas eles ficam somente no mar, não entram na ilha.
 
O fim do mundo é repleto de outras surpresas.
 
Gostou? Veja mais história de Ushuaia aqui.
 
Foto: Gui Merlino

Se você gostou deste post deixe o seu comentário ou assine o RSS feed para receber as próximas matérias em seu feed.
Dubbi

Dubbi

caio@dubbi.com.br

Rede social de viajantes para compartilhar dicas de viagens. Acesse www.dubbi.com.br, tire dúvidas e ajude também quem está precisando de ajuda. Venha fazer parte dessa Revolução!

No Comments

Post a Comment